Translate

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Curso de Eletrônica Básica

 Meus caros alunos e internautas, nosso curso de eletrônica está  pronto no Youtube e são 16 módulos que devem ser feitos necessariamente acompanhando o material didático EAD (Ensino à Distância) desenvolvido com essa finalidade.
 Primeiramente pra participar do curso é necessário se cadastrar como membro do blog, fazer todas os 16 módulos ou aulas, para finalizar o curso, se o aluno ou participante desejar se certificar, será necessário fazer uma prova que será remetida pelo e-mail e pagar uma taxa de registro de ART e custos operacionais, se sua nota for maior ou igual a 7,0, receberá um certificado digital com a ART do CREA, creditando as 60 horas do curso básico. Material didático será retirado por download da área DOCs do Google, orientarei a todos nesse procedimento, certo? Dúvidas responderemos aqui de forma dinâmica, ok?
 Nosso curso básico se divide nos seguintes módulos ou aulas e podem ser localizadas na busca do Youtube, digitando vídeos do Mr Arabutam:


                  Aula 1 ...............Soldagem, 
                  Aula 2 ...............Placa de Circuito Impresso (PCI), 
                  Aula 3 ...............Lei de Ohm/Matriz de Contato e Multímetros,
                  Aula 4................Resistor, 
                  Aula 5 ...............Capacitor, 
                  Aula 6 e 7...............Indutores, Transformadores, https://www.youtube.com/watch?v=juOnf2WX3Hc
                  Aula 8 ............. Semicondutores, 
                  Aula 9...............Transistores Bipolares, 
                  Aula 10............  Fontes, 
                  Aula 11............  Amplificadores, 
                  Aula 12............  UJT, 
                  Aula 13............  FET, 
                  Aula 14............. SCR e TRIAC, 
                  Aula 15 .............Amplificadores operacionais,
                  Aula 16..............Timer 555, 

Os materiais já estão carregados na área DOCs do Google, por favor entrem como membros do blog e se comuniquem comigo para receber o procedimento de download do material. Participem postando dúvidas nessa área. Abraços a todos!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Enquete dos últimos projetos


Olá pessoal, mais uma matéria que visa nesse momento saber a opinião de vocês sobre o nosso blog.
 1- O que vocês gostariam de ver mais?
 a- Informações sobre tecnologia
 b- Projetos e montagens
 c- Utilidades práticas
 d- Eletricidade e automação
 e- Treinamento.

 2- Vocês pagariam por alguns projeto?  Como vocês definiriam um equipamento no estado da arte, feito à mão? É melhor o mais barato ou que tem qualidade e dura mais?

 3- Uma carga horária de 60 horas seria demasiada num curso? E se fizéssemos ele se modular, tipo 20 horas, seria mais aceitável e caberia no bolso?

 4- Esse blog é pra você:
 a- Uma oportunidade pra aprender
 b- Um hobby
 c- Um passatempo
 d- Uma referência de pesquisa e qualidade
 e- Aperfeiçoamento de conhecimentos.

 4- Quais projetos do blog vocês avaliam como o melhor? Por que?

 5- Uma sugestiva em especial, seria em relação a que?

 Pessoas, Feliz 2017! Paz, saúde e felicidade pra todos!

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Projeto de automatização de reservatório

 Olá pessoal, desenvolvi esse projeto, me baseando em algumas idéias que vi na net, ele tem módulos simples, que ainda podem ser agregados sensores e um sistema de comunicação e comando via bluetooth.
 A primeira sugestiva é utilizar uma fonte linear ajustável, como divulgada num artigo anterior, como observado abaixo:
Fontes:
 Como comentado antes, essa fonte possui tensão regulada na saída e proteção contra curto circuito, muito adequado para proteger o sistema e fornecer um nível satisfatório de voltagem, que satisfaz a condição de operação. É recomendado usar a configuração sugerida, para ajustar a tensão em função de perdas. Teremos assim melhor estabilidade funcional,compensando a distância da caixa ou reservatório, da unidade de comando e sensoramento.
Recomendo montarem a fonte em caixa de alumínio, com aterramento de caixa e com fixação do TIP31, obedecendo a isolação do mesmo e usando a caixa como meio de dissipação, já que a fonte linear é de 1A, observem figura ao lado. Vejam os detalhes dos componentes, em especial, a disposição do trafo e circuito de filtragem e proteção. A fonte tem corrente suficiente para alimentar os sensores e circuitos lógicos, fica sugerido usar fiação até uma distância de 30 metros, acima disso será necessário otimizar e usar bluetooth ou criar um link de rádio para efetuar comando e receber informações dos sensores. Maiores detalhes, consultem o artigo publicado sobre fontes de tensão: http://gurueletronico.blogspot.com.br/2012/10/fontes-praticas-pro-dia-dia.html

Lista de materiais:
Conector AC, padrão fonte ATX de PC, tri-way.
 C1, C2 - Capacitor cerâmico ou poliéster de 150nF/250V.
 C3 - Capacitor eletrolítico polarizado de 47uF/25V.
 C4 - Capacitor de 100nF/250V, cerâmico ou poliéster.
 C5 - Capacitor eletrolítico polarizado de 47uF/25V.
 D1, D2 - Diodo retificador 1N4004.
 D3 - Diodo zener de 13V/1W.
 F1 - Fusível de 0,1A/250V.
 L1, L2 - Indutâncias, ver figuras.
 Led1 - Led vermelho padrão.
 Q1 - Transístor BC327 PNP.
 R1 - Varistor S20K250, ver figuras.
 R2 - Resistor de fio de 330 Ohm/1W.
 R3 - Resistor de 1k/1/8W.
 R4 - Potenciômetro de 10k linear.
 R5 - Resistor de fio de 0,4 Ohm/0,5W.
 T1 - Transístor TIP31, darlinton, NPN.
 T2 - Transístor 2N2222, NPN.
 S1 - Chave seletora de 3 posições, ver figuras.
 S2 - Chave liga-desliga, de 3 posições ver figuras.

 Módulo de controle:
 Nesse módulo, a ativação da bomba é efetuada quando o sensor sinalizar abaixo de 25% e a bomba é desligada ao atingir 100% do nível de reservatório, sendo assim otimizado o ciclo de uso da bomba d'água e  a energia consumida pelo circuito ao lado, observe.
  No circuito de controle só poderemos acionar a bomba, na falta de água em 25% e para ao atingir 100%, ou seja, é ativa acionando o gatilho do SCR BT151, pra falta de água e desativa na presença da água, em 100% do tanque, aplicando um pulso entre anodo e catodo . O SCR BT151, possui a característica de selo, é equivalente ao SCR TIC106 e tem um resultado semelhante a um comando elétrico feito num contator. A primeira vantagem é a simplicidade do circuito e a facilidade de usar sensores como bóias para integrar nele, a outra sugestiva são os reed-switch., tomando apenas o cuidado para inverter a lógica no sensor de 25%, sugiro usar bóias de água que tenham contatos NA (normalmente aberto), para o caso dos sensores de 50, 75 e 100%, o sensor de 25 % terá que ser uma bóia NA e NF (normalmente fechado), para o caso de controle do nível e acionamento da bomba de água.Confira o PCB do circuito acima, ao lado.
 Usei essa configuração pela simplicidade operacional e lógica, além de fornecer um controle seguro, pois a lógica anterior não garantia selamento para acionar a bomba de água e na mudança do nível lógico dos sensores, sendo que a lógica digital seria mais complexa e usaria mais componentes, encarecendo o projeto. No entanto, nada impede de estudar o caso e adaptar uma lógica digital para um controle aprimorado por computador ou CLP.
 Usei conectores de dois pontos, como o CONEC1 e 2, e o conector de 3 pontos, que é o CONEC3, o relé K1, é o G5LE, que é alimentado na bobina com 12VDC, 30mA, e a carga é de 220 VAC/10A.
 Pode ser acrescentado um circuito snubber, entre o anodo e catodo do BT151, realizarei teste e informarei aqui.
 Confiram o fotolito do Módulo de Controle:

 Lista de materiais:
 CONEC1,2- Conectores de 2 pontos, ver figuras e texto.
 CONEC3- Conector de 3 pontos, ver figuras e texto.
 D1- Diodo 1N4004, o 1N4148, também serve.
 K1- Relé tipo G5LE, 12VDC/220VAC/10A.
 R1- Resistor de 10k/1/8W.
 T1- Transistor NPN, BC547 ou 548.
 T2- SCR BT151.

 Módulo de Sensoramento:
  O sensoramento é feito pela comparação feita pelos amplificadores operacionais LM324, confira a figura ao lado.
 No sensoramento, podemos também sinalizar o nível de ocupação do tanque em 25, 50, 75 e 100%.
Imaginei uma estrutura que usa um cano de PVC, com as fiações emborrachadas, sendo descapadas apenas nos pontos de sensoramento.
Pode ser utilizado também um isopor e uma série de reed-sweetches acopladas no cano, internamente, com a mesma disposição da fiação.
Como sugestiva podemos usar outras configurações que serão postadas futuramente e que também servem como sensores. Os relés acionados podem ligar lâmpadas de sinalização ou circuitos com a mesma finalidade e alimentar o módulo lógico.
Analise a figura abaixo, na direita e verifiquem o lay-out de circuito impresso, observem que foi criado jumpers para otimizar o aproveitamento de face simples e melhorar os custos de produção da placa, ela também pode ser montada em placa universal, com wire-up.
 Fiz um lay-out o mais otimizado possível e com o melhor aproveitamento, a resistência dos fios sensores ficam entre 20 a 30 ohm numa instalação de até 30 m de distância do tanque à unidade de sensoramento e comutação lógica.
 Aqui também pode ser usado configurações de bluetooth para distâncias de até 100 metros, e usar um módulo de fonte para alimentar esses circuitos.
 Postarei mais pra frente um circuito alternativo com o LM 339.
 Simulei a eficácia desse circuito com o Multisim e respondeu satisfatoriamente.
 Na próxima figura temos o desenho do tanque e a sugestiva de instalação dos fios sensores no cano de 3/4 de polegadas de PVC.
 Não importa o tamanho do tanque , o que é relevante, é fazer a divisão como é sugerido na figura, e pode ser implementado o canos com os fios internos ou reed switches interligados e com um isopor com um imã pra marcar a passagem pelos reed-switches; posso usar também as bóias conforme sugeri acima.
 Pode ser utilizado qualquer líquido, além da água, desde que não sejam inflamáveis.
 O fotolito do Módulo de Sensoramento é apresentado abaixo:

 Lista de materiais:
 C1- Capacitor de 100nF/250Vac, de poliéster.
 D1 a D4- Diodo zener de 8,2Vdc/ de 0,4 a 1W.
 D5 a D8- Diodo retificador 1N4004, 1N4148 serve também.
 K1 a K4- Relé tipo G5LE, 12Vdc/110-220Vac, 10A.
 Led1 a Led4- Led vermelho, comum, médio.
 J1 a J4- Conector de 3 posições, ver figura.
 R1 a R4- Resistor de 3k9, 1/8W.
 T1 a T4- Transístor NPN, BC547 ou 548.
 X1 a X4- Conector de 2 pontos, ver figura;

 Estou pesquisando melhorias desse circuito e aceito sugestões, maiores detalhes, forneço os circuitos e usamos o fórum desse post.
 Abraços à todos! Bom Trabalho!

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Protótipos de fontes e carregadores



Caríssimos, estou criando fontes variáveis simétricas, adaptando fontes chaveadas ATX e carregadores de 100mA de 1,2 a 9VDC.

As fontes plásticas, custam em média 150,00, as metálicas, cerca de 250,00 e as ATX, adaptadas, cerca de 200,00, maiores detalhes, pra adaptar ou montar equipamentos sob encomenda, contatem aqui no blog, conforme indicado.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Bateria de emergência para controle de portão eletrônico


Olá queridos! Quem nunca teve um problema como esse? Imagine chegar em casa, apertar o botão do controle remoto e descobrir que ele não funciona por causa de bateria descarregada... Bom, sem desespero, pois geralmente postos de gasolina 24 horas, tem lojas de conveniência que vendem baterias e pilhas, mas como achar a pilha pequena de 12 V?
 Bom, fácil, a maioria desses controles funcionam com pilha ou bateria de 9 V, então é só fazer uma alteração ou gambiarra conforme a figura acima, à esquerda, onde usei um clip encaixado no negativo da bateria.
 Observem que o controle e a placa de comando, funcionam com a bateria pequena de 12 V e usei um multiteste, que ilustra a tensão média da bateria no controle, observem a figura ao lado, à direita.
 Vejam, que o controle é bem versátil e  a pilha é pequena, porém a corrente que aciona o transmissor do controle é pequena.
 Como podemos fazer pra acoplar o controle, a uma pilha de 9 V, bem é simples, basta encostar o clip ao negativo da placa de controle e o positivo da bateria, ao positivo da placa de controle, olhe a figura ao lado, à esquerda.
 Temos aí o detalhe do que foi explicado, ao acionar qualquer um dos botões o led será acesso e piscará indicando a transmissão da frequência de comando, que acionará o portão eletrônico.
 Bem, a idéia é simples e essa gambiarra ou alteração vale e é preciosa numa situação de emergência.
Boa sorte nos projetos e criatividade é tudo! Abraços à todos! Feliz 2016!

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Fonte simétrica variável

 Olá meus amigos, tenho um projeto simples e muito dinâmico de uma fonte variável simétrica que foi testada satisfatoriamente por mim e pode ser adaptada na fonte ATX, pra corrigir os níveis e tensão de saída.
 No esquema analisamos o circuito:
 Podemos indicar de imediato, que os transístores Q1 e Q2 são respectivamente os TIP 31 e 32, que permitem a corrente de trabalho IC de 1A. Os capacitores eletrolíticos foram dimensionados inicialmente em 220 uF, podendo ter valores de até 1000 uF, garantem boa filtragem, usem o valor de tensão de trabalho dos capacitores em 25 a 35 V. Os potenciômetros devem ser de 10 kohms, lineares, obedecendo a configuração do circuito, onde R1 e R4, limitam as correntes dos zeners D2 e D3, que tem os valor de 13 V,  e liberam a tensão que será variada nos potenciômetros e será entregue em VB, observem que os capacitores C2 e C4, não permitem que essa tensão zere.  As tensões de saída são sinalizadas pelos leds da configuração mostrada no circuito.
 A retificação do circuito foi feita através de uma ponte de retificação de até 1 A, poderia ser feita por uma ponte de diodos 1N4004, que teria o mesmo resultado, observem também que o trafo a ser usado deve ter potência suficiente pra atender a corrente de saída desejada.
 Você pode usar várias configurações de proteção e dimensionamento do trafo, nesse projeto usei a mais simples; vejas as fotos abaixo da fonte, usei um trafo de 200 mA para uma aplicação pequena, onde tenho as tensões de 12 e -12V variando simetricamente e com possibilidade de alimentar vários protótipos.
 Usei uma caixa plástica, utilizada pra montar instrumentos, para montar o projeto, mas também poderia montar em caixas metálicas, apenas tomando o cuidado de considerar a dissipação dos transístores e a isolação elétrica dos mesmos, evitando curto-circuito. Fiz o circuito impresso de forma manual, traçando com uma caneta especial, uma placa de cobre, de fibra, previamente preparada. Essa caneta especial, pode ser aquela usada pra marcar CDs, com desempenho igual a esmalte de unha e ao outro tipo de caneta convencional pra esse trabalho. Vale a pena considerar o que é mais em conta e seguro pra se executar, poderia ser utilizada uma placa universal, o único inconveniente são as trilhas que teriam que ser soldadas, ou interligadas via wire-up ou jump.
Na sequência, temos a foto com o detalhe construtivo da fonte e da inclusão dos elementos como a chave seletora de tensão e o fusível de proteção.

 O detalhe da fonte montada, com a placa de circuito impresso da fonte, transformador, potenciômetros, leds e fusível, fica bem claro e explicado pra você, aí ao lado, veja a figura.  Essa idéia pode ser adaptada na fonte ATX, aplicando a placa de circuito impresso, PCI, imbutindo internamente, claro que deve ser observado o consumo de até 1 A, correntes maiores exigirão transistores de maior capacidade. A grande vantagem desse circuito é a portabilidade, o baixo custo de construção e a utilização rápida, precisa, que apóia a maioria das montagens e testes de protótipos.

 Uma nova versão:


Pessoal, fiz uma nova versão que respeitou uma divisão, semelhantes aos canais de amplificadores, inovei aproveitando de sucata, os capacitores de entrada, e os dissipadores dos transistores, onde serrei o que tinha na sucata e adaptei criando um modelo garfo, igual a um tridente, ficou muito funcional, outros detalhes confiram na figura ao lado, à esquerda. Observem que a montagem foi feita em placa universal e foi usado conectores pra deixar bem prático, a montagem.

Lista de materiais:

 Botões do potenciômetro (02), veja figuras.
 Caixa plástica padrão pra montagem, veja figura.
 Conectores jack (03), para conexão das pontas de prova, veja figuras.
 C1,C3,C5,C6 - Capacitor eletrolítico polarizado de 220uF/25V.
 C2,C4 - Capacitor cerâmico de 100nF/250V.
 D1 - Ponte retificadora, 1B4B42, veja texto e figuras.
 D2 e D3 - Diodo zener de 13V/1W.
 Led1 e Led2 - Leds verde e vermelho, tamanho médio, veja figuras e texto.
 Porta fusíveis pequeno de 0,5 A.
 R1,R4 - 330 Ohm/1W.
 R2,R5 - Potenciômetro de 10k linear.
 R7,R8 - Resistor de 1k/1/8W.
 Q1 - Transístor Darlington NPN TIP31.
 Q2 - Transístor Darlington PNP TP32.
 T1 - Transformador de 110/220V/12+12V/60Hz, 1 A, 24W.

 Boa prática!

 By Rubens de Carvalho

Brain Machine, máquina de hipnose e relax.


 Pessoal, esse é um projeto simples e sensacional, baseando no circuito do CI 555, cujo circuito é muito difundido pelos fabricantes, onde no caso do nosso projeto, empregamos a configuração de astável presente na figura ao lado.
 A bateria pode ter os valores entre 9 e 12V, a temporização é dada pelo Potenciômetro R4, de 10k Ohm linear, e o capacitor C2. O transístor do projeto é o BC548 de uso geral, o capacitor de 47uF, serve para filtrar e estabilizar o circuito, pode ser usados capacitores de 47 a 470uF/16V, que funcionam normalmente.
 O conjunto formado pelos leds verde e vermelho, são montados num óculos, que pode ser adquirido em lojas de 1,99 reais, com a diferença dos leds serem ambos vermelhos, embora pode ser usados combinações de verde e vermelho, ou vermelho e azul, sendo essa última, não experimentada ainda..
 Na montagem, escolhi uma caixa plástica pequena, onde  fixei a bateria com o auxílio de fitas de dupla face, confiram o detalhe construtivo pelas fotos,  ao lado, estão condicionados na caixa o circuito, que foi montado numa placa universal, a bateria, chave de ligação e potenciômetro.
 É um circuito de montagem relativamente simples e de alta funcionalidade, tive resultado com frequências de 6 a 10 Hz, induzindo estados de agitação, meditação e relax.
 A melhor frequência para relaxamento é da ordem de 7,83 Hz, com a frequência de 6, há um sentimento de depressão, de 8 relaxamento, 10, excitação e entusiasmo.
 Na foto ao lado, vemos o protótipo montado e os leds adaptados ao óculos.
 O circuito pode auxiliar terapias de relaxamento, hipnose e ser excelente ferramenta em psico-terapia.
 Os custos na montagem do projeto serão baixos em função da popularidade do timer 555.
 Consegui adaptar e desenvolver um circuito melhor, obedecendo as condições similares do projeto, numa caixa bem melhor e menor, e em outro caso, foi melhorado a caixa do circuito presente, adicionando conexões, vejam os detalhes das fotos que se seguem e confiram as melhorias.
Quanto a aplicação, sugiro utilizar a Brain Machine, obedecendo as frequências seletadas, conforme descrito no projeto, combinando-as, com audição de música wavesync, disponível na internet pelo Youtube e outros sites, vale a pena pesquisar e experimentar.
 Eu usei as frequências de 8 e 10 Hz com sucesso, e para calibrar, basta medir com um frequencímetro, a saída do pino 3 do 555 e conferir com a posição do potenciômetro R4, atentem que essa posição pode variar em função da tolerância de mais ou menos 10% do dispositivo.
 Na figura à esquerda, um exemplo de aplicação, com melhoria da caixa do projeto principal.

 Lista de materiais:
 V1 - Bateria de 9VDC
 S1 - Interruptor tipo alavanca, pequeno, de metal.
 R1 e R2 - Resistores de 220 ohms/1/8 W
 R3 e R5 - Resistor de 1k/1W
 R4 - Potenciômetro de 10k/linear
 C1 - Capacitor cerâmico de 100nF, 10% de tolerância.
 C2 - Capacitor 10uF/ 16V eletrolítico
 C3- Capacitor 47uF/16V eletrolítico.
 U1 ou IC1 - Timer 555
 U2 e U3 - Leds vermelho e verde ou azul, padrão médio
 U4 - Transístor BC547 ou 548, NPN

 Esse projeto é uma sugestiva que pode ser aperfeiçoada, futuramente incluirei sugestão desse circuito em placa PCB, usei o CAD Eagle na execução de vários projetos nesse blog, e será o mesmo software a ser empregado na futura sugestiva.
 Quero desejar a todos boa montagem e uma feliz experiência! Abraços à todos!

 by Rubens de Carvalho

Abajur de leds, usando sucata.

 Olá meus prezados amigos! A idéia que exponho aqui, não é nova, mas se trata de reciclar coisas usadas, que podem ter excelentes resultados, de decoração e uso.
 Fiz uma adaptação de um modelo de abajur elétrico, para um modelo eletrônico, já que o antigo não funcionava mais, a primeira coisa que fiz foi remover os componentes danificados e velhos, mantive apenas a fiação flexível, que se mantinha em ótimo estado e fiz uma placa com leds brancos, conforme a figura ao lado. Usei nesse primeiro circuito 04 leds brancos de alta intensidade, coloquei resistores de 1W de potência de 330 Ohm, soldando-os todos numa placa universal, conforme visto na figura, adicionei um conector de dois pólos, azul, para alimentar a placa.
 O outro circuito combinei leds azuis de alta intensidade, com leds vermelhos de intensidade média, num circuito similar ao anterior. Observe o detalhe na figura da direita, usei resistores de potência de  potência, na mesma configuração que o circuito anterior, para os leds de alta intensidade, azuis; pros leds vermelhos, usei resistores de 330 Ohm/1/8W, mudando apenas o detalhe construtivo da placa e o posicionamento do conector de dois pólos, azul.
 O resultado foi um efeito luminoso muito legal, conforme pode ser conferido abaixo, à esquerda;
O circuito ficou muito interessante, sendo que a dificuldade em fixar as placas na estrutura do abajur foi mínima, poderia ter colado ou parafusado as placas, mas preferi fixar elas, com uma braçadeira plástica, que ficou aceitável e funcional, dando um detalhe diferente, inusitado à peça.
 Para não deixar pesado o corpo plástico do abajur, preferi alimentar a unidade com uma fonte externa, que pode ser adquirida em qualquer loja eletrônica, ou montada, de acordo com as sugestões desse blog. Sugiro usar uma fonte de entrada 127/220V 50-60Hz/ Saída 12V/ 500mA, tá suficiente pra garantir a funcionalidade e excelente iluminação.
 Olha aí, na figura da direita o detalhe construtivo e o acabamento final da peça, acompanhada da fonte externa de alimentação, onde conservou-se e aproveitou-se todos os componentes funcionais anteriores, resultando numa peça de excelente iluminação, sendo que o grau de dificuldade é mediano pra baixo, dependendo da habilidade pessoal de quem executa. Essencial, conhecer circuito e montagem em placa universal, pra tentar montar esse projeto, sugiro assistir os vídeos do Mr Arabutam.

Pessoal, ao lado, à direita, segue o esquema elétrico dos circuitos conectados, usei na simulação leds amarelos, para representar os leds brancos de alta intensidade, confiram o circuito!
 Boas práticas!

 Lista de materiais:

 02 conectores de dois pólos azuis.
 03 leds azuis de alta intensidade.
 04 leds brancos de alta intensidade.
 02 leds vermelhos de baixa intensidade, comuns.
 02 resistores de 330 Ohm/1/8W.
 07 resistores de 330 Ohm/1W de fio.

 by Rubens de Carvalho

domingo, 25 de janeiro de 2015

Carregador de baterias de veículos


 Carregador de baterias para autos e motos:
 No circuito da figura, vemos o carregador de baterias para automóveis e motos, cujo funcionamento é muito simples. Trata-se de uma lâmpada ligada ao Fase da alimentação AC de 127V, ligada em série com um diodo que varia de 1 a 3 A, embora 1 A seja suficiente para esse circuito, que por sua vez é ligado ao positivo da bateria, o negativo da bateria é ligado ao Neutro da alimentação AC.
 Observe que a carga da bateria é limitada pela lâmpada de 127V/100W, que permite a passagem de uma corrente de até 500mA, no nosso circuito medimos 326 mA, utilizando o diodo 1N4004.
 Veja esse vídeo feito por mim: https://www.youtube.com/watch?v=-jStLDpMkeE
 Esse circuito carrega uma bateria em até 8 horas, tem um custo que varia de 30 a 50 reais e pode ser vendido por 80,00, a idéia dele é de domínio público, podendo ser realizado um desenho diverso que pode garantir um registro de patente de design. Outra coisa boa é que os elementos da bateria não sofrem estresse de carga, como é o caso de carregadores rápidos.
 Experimentei esse circuito na minha motocicleta, e após 5 anos de uso, a bateria da moto ainda é operacional, sendo prolongado um pouco o tempo de vida dela.

 Lista de materiais

 Bocal de encaixe pra lâmapada, rosqueado.
 D1 - Diodo 1N4004 retificador.
 Garras jacaré médias (02)
 Lâmpada incandescente de 60 a 100W, 127V, veja texto, vídeo e figura.
 Plug pra tomada 110/220V/10 A.
 Tomada tri-way.


Vale a pena experimentar e fazer! Abraços e boa experiência!

Confiram: http://www.youtube.com/watch?v=-jStLDpMkeE&list=FL0iswTVImbm7W49hI1jXuVg&index=5&feature=plpp_video


By Rubens de Carvalho

domingo, 13 de julho de 2014

Termostato com o 741

 Pessoal, trago esse interessante projeto, fácil de implementar e muito prático e eficiente, de forma que pode acionar sinalizações ou equipamentos como uma ventilação de exaustão. Ele é uma idéia original do professor Newton C Braga e foi adaptado aqui pra uma realidade de um ambiente industrial.
 O projeto se baseia no amplificador operacional 741, utilizado como comparador, sendo utilizado um NTC e um trimpot pra regular a temperatura e o ponto de disparo do 741, de modo que acione o relé que controla o acionamento da carga.
 Veja a figura ao lado, no conector J1, aplicamos a alimentação do circuito em 12Vdc, os capacitores C1 e C2, tem as funções de filtrar e estabilizar  a temperatura do circuito e a tensão de alimentação. Os resistores R2 e R3, fazem a divisão da tensão por 2, que  é comparada com o R1 ( o NTC), o trimpot R6, regula o disparo do 741, como mencionado antes, uma vez disparado, o 741, permite o resistor R4 conduzir e satura o transístor Q1, energizando a bobina do relé, fazendo-o atracar e fechar contatos que acionará a carga plugada em J2. D1 fornece proteção contra a corrente negativa.
 Confira  circuito impresso, procurei fazer um circuito prático no PCB, que pudesse encaixar em qualquer empacotamento pequeno ou médio, assim como caixas de comando de dispositivos ou interruptores, usei o CAD Eagle, que é muito apropriado pra esse trabalho pela simplicidade e excepcional qualidade.


Abaixo é apresentado o fotolito do PCB desse circuito:








 Lista de materiais:

 R1 - NTC de 10k a 100k
 R2 e R3 - Resistores de 10k/1/8W
 R5 - Resistor de 1k
 R6 - Trimpot de 10k
 C1 e C2 - Capacitores cerâmicos de 100nF/400V/10% de tolerância.
 D1 - diodo 1N4148 retificador comum.
 J1 - Conector de dois pontos, ver PCB.
 J2- Conector de três pontos, ver PCB.
 Q1 - transístor PNP BC557.
 K1 - Relé tipo G5LE, 12VDC/ 30mA/110/220VAC/60Hz/10A
 IC1- LM 741.